Sexta, 26 Julho 2019 10:15

FEIRA AGROFESTBV CHEGOU!

Avalie este item
(0 votos)

Por Ceiça Chaves e Ayslane Dantas

Uma das novidades desta edição da Festa da Agricultura Familiar (AgrofestBV) é a exposição dos Campos Experimentais, trazendo uma variedade de culturas de milho, soja e sorgo biomassa. O Campo é inédito no Brasil por trazer cultivares ainda não lançadas a nível nacional. Como uma das atrações do evento, está localizado na própria Associação Elifas Levi Veloso Filho, polo I do Assentamento Nova Amazônia, local da festa.


São 19 cultivares de milho diferentes, 19 de soja e o sorgo biomassa em análise nos Campos Experimentais.

A ideia do Campo é fazer os experimentos e as análises de resistência ao clima, ao solo e às doenças a fim de obter um banco de dados para embasar os agricultores não só do município como do estado. O secretário de Agricultura e Assuntos Indígenas, Marlon Buss, destacou que esta é a parte mais importante do evento, pois é possível confirmar o potencial produtivo de várias cultivares.

“São 19 tipos de milho diferentes, 19 de soja e o sorgo biomassa. Interessante que temos aqui cultivares que no Brasil ainda não foram lançados. É uma tecnologia americana, e só temos aqui esse campo experimental no Brasil. Essas informações daqui serão multiplicadas no país inteiro”, destacou.

Para a implantação do Campo através da secretaria e dos agricultores locais, os materiais foram fornecidos por grandes empresas do segmento, multinacionais entre elas a Basf, Pioneer, For Seed, Morgan, Stein, uma empresa americana estreando no Brasil e a LG que já está há um tempo no mercado.


Daniel Gobbi, representante da Basf, uma empresa alemã que forneceu sementes de soja para os Campos Experimentais.

Quem veio a Boa Vista especialmente para participar do evento foi Daniel Gobbi, representante da Basf, uma empresa alemã com mais de 150 anos de atuação em sementes e proteção de cultivos.

“É a minha primeira experiência em Roraima. Eu cuido de um negócio de sementes de soja da Basf em todo o Brasil. Estou surpreso pois vislumbro muitas potencialidades no estado, que se corretamente aproveitadas podem transformar o cenário agrícola”, disse.

 

Sorgo Biomassa


O sorgo plantado no projeto de assentamento Nova Amazônia, em Boa Vista, é o único do país em um campo de experimentação.

É uma planta que pode atingir os 6 metros de altura em 180 dias. Uma das poucas alternativas que o produtor tem para obter biomassa em pouco tempo. O sorgo plantado no projeto de assentamento Nova Amazônia, em Boa Vista, é o único do país em um campo de experimentação. E tem tudo pra dar certo por causa do clima propício.

“Quando a gente busca produção de massa verde, um dos fatores pra que aconteça a produção é luz, então a gente tem várias horas de luz por dia pra planta realizar a fotossíntese e tem uma boa disponibilidade de água, então são dois fatores que contribuem pra uma grande produção de massa num curto espaço de tempo”, explicou o agrônomo e diretor técnico da secretaria de agricultura, Fábio Guths. 


Fábio Guths, agrônomo e diretor técnico da secretaria de agricultura montrando a plantação de sorgo biomassa.

O principal objetivo do desenvolvimento genético do sorgo plantado em Boa Vista é produção de massa seca por hectare, que servirá para melhoramento do solo. Mas, além de ser utilizado como matéria orgânica, o sorgo biomassa é visto como alternativa de energia renovável.

“Já tem algumas indústrias que estão querendo se instalar no estado pensando em produção de energia via biomassa, então ele seria uma das alternativas de biomassa, por isso que ele está sendo testado”, disse Fábio.