Imprimir esta página
Quinta, 12 Maio 2022 10:08

PATRULHA DA CHUVA EM PARQUE E NO OPERÁRIO

Avalie este item
(0 votos)

Parque do Rio Branco e bairro Operário recebem serviços de limpeza...Os bairros receberam serviços de coleta mecanizada, capina, varrição de ruas, roçada manual e mecanizada, remoção de entulhos e galhadas

POR Ana Gabriela Gomes 

Um dos compromissos da Prefeitura de Boa Vista é manter a cidade limpa e organizada. Por isso, todos os dias, as equipes da Patrulha da Chuva prestam serviços de coleta mecanizada, capina, varrição de ruas, roçada manual e mecanizada, remoção de entulhos e galhadas nos bairros. Nesta terça-feira (10), as equipes foram até o bairro Operário pela manhã e, à tarde, no Parque do Rio Branco.

Seguindo o cronograma da Secretaria Municipal de Serviços Públicos e Meio Ambiente (SPMA) desta semana, as equipes já passaram pelos bairros Asa Branca, Bela Vista e Buritis, na limpeza de bueiros e valas.

Com ou sem chuva, o fiscal de campo Robson Coelho explicou que o trabalho acontece diariamente por duas equipes de até 10 pessoas. Ele conta que a população pode contribuir, e muito, no trabalho da Patrulha.

“Nos tornamos repetitivos, mas não tem outro jeito. Os moradores jogam lixo nas ruas e, com a chuva e o vento, muitas vezes eles caem nos bueiros e valas. É difícil de entender porque eles mesmos prejudicam o lugar onde moram”, falou.

O comerciante Dirceu Rodrigues, morador do Buritis há 15 anos, elogiou a ação. “Como as vezes chove do nada, a gente sabe a importância de manter a rua preparada para receber uma certa quantidade de água. A drenagem aqui funciona bem por causa disso”, comentou o morador.

Moradora do bairro Operário, a dona de casa Rayane de Paiva acompanhou o trabalho das equipes.  “É um serviço que a gente precisa elogiar. Estou morando aqui há pouco mais de um ano e as equipes sempre estão limpando aqui. A minha parte eu faço e os vizinhos também colaboram”, disse.

No Parque do Rio Branco, normalmente são encontrados dois tipos de resíduos: galhadas – trazidas para a beira quando o rio enche – e lixos domésticos jogados pelos munícipes. “A gente junta tudo porque é nosso trabalho, mas a população precisa se conscientizar”, pontuou Robson.