Quinta, 07 Abril 2022 08:44

RecrearTEAndo fortalecendo o autismo

Avalie este item
(0 votos)

Brincadeiras e diversão na Praça do Mirandinha marcam a Semana de Conscientização do Autismo em Boa Vista...Participaram cerca de 400 crianças diagnosticadas com autismo nas escolas de Boa Vista

POR Ceiça Chaves

 

O RecrearTEAndo, um dos maiores eventos alusivos ao Dia Mundial do Autismo (comemorado no dia 2 de abril), do município, reuniu nesta quarta-feira, 6, mais de 400 alunos e suas famílias na Praça do Mirandinha. Foi uma manhã de diversão e brincadeiras que marcaram esta semana de conscientização em Boa Vista. A ideia é difundir ainda mais o tema na sociedade, derrubar preconceitos e promover a inclusão dessas crianças por meio de atividades culturais e de lazer.

Esta é a 4ª edição do evento, organizado pela Escola Municipal Carmem Eugênia Maccaggi com apoio da Secretaria Municipal de Educação e Cultura. As edições anteriores ocorreram entre 2017 e 2019, e este ano retornou com toda estrutura e, como de costume, envolvendo todos os alunos diagnosticados com autismo da rede municipal.

“O projeto começou pequeno e a gente viu a necessidade de levá-lo além dos muros da escola para que houvesse essa conscientização, esse movimento para que, de fato, aconteça atitudes que voltem à inclusão. Eu fico emocionada porque eu vejo hoje a amplitude que se tornou tudo isso e como faz a diferença na vida dos pequenos”, disse uma das idealizadoras do projeto, a professora da Sala de Recurso Multifuncional, Silvana Queiroz, da Escola Carmem Eugênica Macaggi.

A criançada brincou de tirolesa, circuitos, cama elástica, aproveitou as pinturas, contação de histórias e as diversas brincadeiras dirigidas. Teve ainda entrega de lembrancinhas e soltura dos balões no encerramento. A diversão foi garantida para o aluno Guilherme Picorelle, 5 anos, da Escola Municipal Sílvio Leite e sua mãe Olga Picorelli, que fez questão de acompanhar o pequeno na brincadeira.

“Essa iniciativa é importante pois leva mais informações sobre o autismo para as pessoas saberem lidar com essas crianças. Antes não tinha muita divulgação e existia muito preconceito. Muitos acham que são birras e manhas das crianças e não é. Eu sou nova com essa experiência, pois eu descobri recente no meu filho. Agradeço muito a prefeitura pelo apoio e atendimento especial dado a ele”, disse Olga.

Para a vendedora Bethânia Souza, 41, mãe da aluna Yasmim de Souza, 10 anos, contar com o cuidado e apoio da Escola Municipal Palmira de Castro e do Centro Municipal Integrado de Educação Especial acelerou o desenvolvimento da filha, que foi diagnosticada com autismo aos três anos de idade.

“A prefeitura faz parte da vida dela desde os três anos, com todo acompanhamento e atenção especial. Yasmim não interage muito, é pouco comunicativa, e a aprendizagem é lenta. Depois que ela começou a estudar na prefeitura desenvolveu bastante, aprendeu muita coisa. Esse trabalho do município é maravilhoso”, disse.