Quarta, 07 Julho 2021 17:40

SEJA MAIS UM CONTRA A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Avalie este item
(0 votos)

Chame alerta para casos de violência doméstica contra as mulheres...Uma panfletagem educativa com intuito de incentivar a população a denunciar esse tipo de crime será realizada nesta quinta-feira (8)

Uma em cada quatro mulheres brasileiras (24,4%) acima de 16 anos afirma ter sofrido algum tipo de violência ou agressão nos últimos 12 meses, durante a pandemia de covid-19. Foi o que revelou uma pesquisa encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Para chamar a atenção da população sobre esses altos índices, o Chame (Centro Humanitário de Apoio à Mulher) realizará nesta quinta-feira (8), a partir das 9h, uma panfletagem educativa no semáforo em frente à Catedral Cristo Redentor, no Centro Cívico.

Além de sensibilizar e conscientizar toda a sociedade sobre a importância da prevenção e do enfrentamento à violência doméstica, o Chame, que faz parte da Procuradoria Especial da Mulher, da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR), tem o intuito de encorajar a população a denunciar esse tipo de crime, como destaca a procuradora Especial da Mulher, deputada Betânia Almeida (PV). “Sabemos que muitas vítimas ainda têm receio de levar às autoridades competentes os abusos cometidos pelos seus parceiros”, disse a procuradora.

Serão distribuídos folders, adesivos, informativos e cartilhas educativas sobre o trabalho desenvolvido pelo Chame, bem como informações sobre a Lei Federal 11.340/2006, conhecida como Lei Maria da Penha, os tipos de violência e as formas de realizar as denúncias de violência doméstica. “O momento é de conscientização e de união, pois não podemos mais aceitar que as nossas mulheres continuem sendo vítimas de violência. Muitas chegam a ser assassinadas pelos seus companheiros. Não vamos nos calar. Vamos denunciar”, enfatizou Betânia.

 Número de homicídio de mulheres em RR cresce 139% e estado é o mais 'letal'  para o sexo feminino, aponta ONG | Roraima | G1

ZAP CHAME

Com o isolamento social e as medidas restritivas impostas para combater a covid-19 em Roraima, atendimentos do Chame como denúncias contra a violência doméstica, pensão alimentícia, guarda dos filhos, entre outros, passaram a ser realizados pelo Zap Chame (98402-0502).

O Chame presta atendimento jurídico, psicológico e social às mulheres e às famílias das vítimas de violência doméstica, garantindo assim, seus direitos assegurados pela Lei Maria da Penha.

 Pesquisa revela que 536 mulheres foram agredidas por hora em 2018 | Força  Sindical

Números em Roraima

Dados do Centro revelam que em 2020, antes da pandemia do novo coronavírus, foram realizados 146 atendimentos presenciais. De março de 2020 a junho de 2021 foram realizados cerca de mil atendimentos, todos pelo Zap Chame.

Conforme dados do Tribunal de Justiça de Roraima (TJ-RR), por meio do Juizado Especial de Violência Doméstica, 2020 fechou com 2.130 casos. Já pela Vara Criminal, no mesmo ano, foram registrados sete casos de feminicídio.

O TJ também computou 1.328 medidas protetivas no estado. Os bairros Cidade Satélite, Senador Hélio Campos e São Bento são os locais que lideram as ocorrências de criminalidade contra mulheres, segundo informações do Tribunal de Justiça e da Polícia Militar de Roraima (PM-RR). Os dados referentes a 2021 só serão divulgados pelo poder judiciário após o fechamento do ano.

 

Cinco tipos de violência que a mulher deve denunciar

A violência física não é a única forma de agressão à mulher, como muita gente pode pensar. São cinco as formas de agressões previstas na Lei Maria da Penha:

Violência Física: qualquer ato contra integridade ou saúde corporal da vítima, deixando marcas ou não.

Violência Psicológica: é qualquer ação que cause prejuízo psicológico e/ou dano emocional. Pode ser manifestada ainda, pela tentativa de controle do comportamento da mulher

Violência Patrimonial: situações que implicam em destruição de bens, documentos pessoais e instrumentos de trabalho.

Violência Sexual: é aquela que força a mulher a presenciar, manter ou participar de relação sexual indesejada. Impedir o uso de método contraceptivo ou forçá-la à gravidez, aborto ou prostituição, mediante força.

 

Foto: Eduardo Andrade 

SupCom ALE-RR