Sexta, 07 Agosto 2020 14:54

BOLSONARO CRIA CENTRO DE INTELIGÊNCIA NACIONAL NA ABIN

Avalie este item
(0 votos)

Por Terça live

Com o objetivo de enfrentar “ameaças à segurança e à estabilidade do Estado e da sociedade”, o presidente Jair Bolsonaro criou uma nova unidade na Agência Brasileira de Inteligência (Abin): o Centro de Inteligência Nacional. O decreto com a mudança na estrutura do órgão foi publicado na última sexta-feira (31/07) no Diário Oficial da União. O ato foi assinado por Bolsonaro e pelo general Augusto Heleno, chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional).

Em abril, o presidente reclamou dos serviços de inteligência e disse que a Abin “tem seus problemas”

Entre as atribuições da nova unidade, estão:

  • Assessorar os órgãos competentes no que se refere a atividades e políticas de segurança pública e à identificação de ameaças decorrentes de atividades criminosas;
  • Realizar pesquisas de segurança para credenciamento e análise de integridade corporativa;
  • Planejar ações destinadas à produção integrada de conhecimentos de inteligência entre unidades da Abin e destas com parceiros;
  • Propor cooperações técnicas entre integrantes do Sistema Brasileiro de Inteligência e de agências parceiras;
  • Desenvolver ações destinadas à inovação na atividade de inteligência e coordenar unidades da Abin com parceiros para a produção integrada de conhecimentos de inteligência; e
  • Planejar, coordenar e implementar a produção de inteligência corrente e a coleta estruturada de dados.

Para preencher o quadro de funcionários, foram remanejados cargos de outras áreas do governo.  As medidas entram em vigor em 17 de agosto.

Na visão de membros da oposição, as mudanças enfraquecem o órgão e minam sua capacidade de traçar estratégias de contrainteligência.

O líder do PSB na Câmara, deputado Alessandro Molon (RJ), apresentou um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) para derrubar as alterações promovidas pelo chefe do Executivo.

A decisão do Bolsonaro de criar um Centro de Inteligência calhou de acontecer logo após o jornalista Allan dos Santos, do Terça Livre, na última quinta-feira (30/7), apresentar graves denúncias, apontando a existência de uma articulação por parte do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para cassar o presidente Jair Bolsonaro, mesmo sem ele ter cometido nenhum crime eleitoral.

De acordo com Allan, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e também membros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, Luiz Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, já teriam seus votos prontos para golpear o presidente.

O jornalista segue a denúncia afirmando que Igor Tobias, funcionário do TSE, teria contratado a empresa alemã Rohde & Schwarz para fazer uma varredura de escutas telefônicas em Brasília.

A empresa teria identificado três maletas de escutas em locais distintos. A primeira, na residência do advogado do PT, Antônio Carlos de Almeida Castro (mais conhecido como Kakay), que possui livre trânsito no STF.

A segunda maleta estaria implantada na Embaixada da China. Já a terceira, na embaixada da Coreia do Norte.

“O presidente Bolsonaro está provavelmente sendo escutado por essas maletas que estão em posse da embaixada da Coreia do Norte, na embaixada da China e na casa do Kakay, no Lago Sul [de Brasília], declarou.