Quinta, 17 Fevereiro 2022 09:09

Bolsonaro fala do ‘desespero’ do ministro do STF

Avalie este item
(1 Votar)

Bolsonaro alega que Fachin comprovou a violabilidade das urnas eletrônicas

Presidente da República afirmou que o ‘desespero’ do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) confirma sua desconfiança no sistema eleitoral

  • Por Jovem Pan

O presidente Jair Bolsonaro (PL) concedeu uma entrevista nesta quarta-feira, 16, e afirmou que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), e próximo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, “comprovou” que o sistema eleitoral brasileiro não é confiável e que as urnas eletrônicas de votação podem ser violadas. Segundo o chefe do Executivo federal, “o próprio ministro Fachin acaba de comprovar, no meu entender, que ele não tem confiança no sistema eleitoral. Se o sistema eleitoral é inviolável, por que isso é preocupação? Acabaram de comprovar que existe a possibilidade de [a urna] ser violada.”

A afirmação de Bolsonaro é uma resposta a fala de Fachin quanto à segurança das próximas eleições. Em entrevista ao jornal Estado de S.Paulo, o magistrado alegou que há uma crescente preocupação com o ciberespaço e que a “Justiça Eleitoral já pode estar sob ataque de hackers”. O futuro comandante do TSE afirmou, ainda, que os criminosos não precisam necessariamente ser usuários da rede mundial de computadores, “mas também países, tal como a Rússia, que não têm legislação adequada de controle. Tem sido dito e publicado, por exemplo, que a Rússia é um exemplo dessas procedências. O alerta quanto a isso é máximo e vem crescendo.”

Atualmente, Bolsonaro encontra-se em território russo para tratar das relações comerciais entre os países. “Eu não sei porquê esse desespero gratuito a um país – no qual o chefe de Estado brasileiro está presente -, como se aqui [a Rússia] fosse um país que viesse a participar de forma criminosa em eleições no Brasil. É triste e é constrangedor para mim, que estou em solo russo, receber acusação de como se a Rússia se comportasse como um país terrorista digital.”