Quinta, 06 Janeiro 2022 09:54

EM DEFESA DE SEUS MINISTROS

Avalie este item
(2 votos)

Bolsonaro sai em defesa de ministra pressionada por parlamentares

Flávia Arruda, da Secretaria de Governo, tem sido criticada por deputados da base aliada por não cumprir acordos feitos: ‘Tem deixado a desejar’, disse à Jovem Pan um líder partidário

  • Por André Siqueira

O presidente Jair Bolsonaro (PL) aproveitou a coletiva de imprensa que concedeu nesta quarta-feira, 5, após receber alta do hospital Vila Nova Star, em São Paulo, para sair em defesa da ministra da Secretaria de Governo (Segov), Flávia Arruda. Nos últimos dias, parlamentares passaram a cobrar a demissão da auxiliar, deputada licenciada e também filiada ao PL. Aos jornalistas, o chefe do Executivo federal disse que Arruda não deixará o cargo. “A indicação da Flávia Arruda foi minha. Por que eu a indiquei? Não é por ser mulher, por nada. É pela competência dela. Ninguém ligou para mim. Ninguém pede a cabeça de ministro como acontecia no passado”, disse Bolsonaro. “Onde a Flávia Arruda está errando? Desconheço. Se porventura estiver errando, eu chamo e converso com ela. Ela não será jamais demitida pela imprensa”, acrescentou o presidente da República.

Apesar da declaração do mandatário do país, a Jovem Pan apurou que a insatisfação com a ministra da Segov tem aumentado nos últimos dias. Segundo relatos feitos à reportagem, o deputado federal Hugo Motta (Republicanos-PB), que liderou a bancada do partido no último ano e relatou a PEC dos Precatórios na Câmara, enviou uma mensagem no grupo de lideranças afirmando que passaria a defender a demissão de Flávia Arruda. Sob reserva, integrantes do PL e do PP, que compõem com o Republicanos o tripé que dá sustentação ao governo no Congresso, disseram que a ministra “tem deixado a desejar”. À frente da Secretaria de Governo, Flávia Arruda é responsável pela articulação política do governo. Nos bastidores, congressistas têm se queixado da postura da ministra, que, segundo lideranças partidárias, não cumpriu acordos feitos nos últimos meses, como a liberação de emendas, por exemplo. O entorno da parlamentar licenciada, porém, minimiza a pressão e afirma que as críticas têm sido individuais.