Quinta, 30 Setembro 2021 09:16

ÍNTEGRA: DISCURSO LUCIANO HANG NA CPI DA COVID-19

Avalie este item
(0 votos)

Segue discurso na íntegra do empresário, Luciano Hang, na CPI da Covid-19, na manhã desta quarta-feira, 29 de setembro de 2021:

 

Bom dia a todos os brasileiros e a todos os presentes. 

Antes de começar, eu gostaria de ser solidário às famílias das vítimas da COVID-19, da qual eu faço parte. Eu perdi muitos amigos queridos e também a minha mãe para esta terrível doença. Por isso, sei o quanto é doloroso cada perda.

Aos profissionais da saúde, quero fazer um agradecimento especial, pelo árduo trabalho e principalmente pela dedicação em salvar vidas. Meu nome foi mencionado nesta CPI diversas vezes, muitas delas de forma desrespeitosa.

Eu não pedi Habeas Corpus e venho aqui de coração aberto, esclarecer qualquer questão. Porque nada devo, não fiz nada de errado e a CPI não tem prova alguma contra mim.

Afirmo que disponho de todo tempo do mundo para ouvi-los e gostaria de ter também todo tempo para responder com tranquilidade cada questionamento. Lembrem-se: gentileza gera gentileza e respeito gera respeito.

Hoje estou aqui sozinho, com Deus e com milhões de brasileiros ao meu lado. Do lado da verdade. 

Antes de ir aos fatos, quero falar um pouco de mim e da minha história. Eu nasci em uma família pobre em Brusque, uma pequena cidade do interior de Santa Catarina. Meu pais, Luís e Regina, eram operários e trabalharam na Fábrica de Tecidos Carlos Renaux por mais de 40 anos, até eu conseguir dar uma vida melhor a eles.

Tenho dislexia, um transtorno que dificulta o aprendizado. Sofri muito na infância para aprender a ler e escrever. Me alfabetizei com muita dificuldade somente aos 12 anos, depois de muito insistir e treinar a leitura em revistas e gibis.

Me lembro como se fosse hoje que meus avós moravam em uma casa tomada por cupins. Meu maior medo era que meus pais não tivessem uma casa segura para viver em sua velhice.

Foi isso que me motivou a trabalhar desde cedo. Graças a Deus, consegui realizar o sonho de dar uma vida digna a quem eu mais honrei nesta vida: meu pai e minha mãe.

Imaginem o quanto é duro ver a morte da minha mãe sendo usada politicamente, de forma tão vil, baixa e desrespeitosa. Por isso, não aceito qualquer desrespeito à memória da minha mãe. Tenho a consciência tranquila, de que como filho, sempre fiz o melhor para ela.

Eu comecei a trabalhar ainda criança vendendo bolachas na escola. Meu primeiro emprego com carteira assinada foi como operário, na mesma fábrica em que meus pais trabalhavam e que anos depois, eu tive a honra de comprar.

Comecei debaixo, indo trabalhar com um sapato furado, mas sempre acreditei no impossível. Sou um vendedor. Um simples e puro comerciante.

Em 1986, com 23 anos, tive a coragem de largar a estabilidade do meu emprego para construir meu grande sonho: a Havan. Comecei pequeno, com pouco dinheiro, apenas um colaborador, em uma lojinha de 45 metros quadrados, vendendo tecidos.

Como a grande maioria do nosso povo, não tive uma vida fácil. Trabalhei muito, dias e noites, debaixo de sol e chuva, de segunda a segunda, para construir a empresa e tudo que temos hoje. 

Fomos investindo e crescendo ano após ano, até a Havan se tornar o que é hoje.

Agora convido a todos a assistirem um breve vídeo para entender um pouco mais da Havan, da força e da energia de nossa equipe.

Tenham a certeza de que esta história de sucesso não foi construída da noite para o dia e, sim, ao longo de 35 anos de MUITO TRABALHO, ao lado de uma grande equipe, enfrentando adversidades e burocracias de todo tamanho. Para empreender no Brasil é preciso ser um verdadeiro herói.

Até o final do ano a Havan terá 168 lojas, presentes em 20 estados brasileiros, com um faturamento de aproximadamente R$14 bilhões e um lucro líquido de R$1,3 bilhões.

Só de impostos e benefícios este ano serão pagos mais de R$ 3 bilhões. Somos reconhecidos como uma das melhores empresas para se trabalhar no Brasil. Geramos cerca de 22 mil empregos diretos e 120 mil indiretos. Tenho muito orgulho em dizer que não demitimos ninguém por causa da pandemia.

Eu me sinto responsável por cada um dos meus 22 mil colaboradores e por suas famílias. Por isso, minha prioridade desde o início foi manter os empregos. Sempre defendi que era necessário cuidar da saúde, sem se descuidar da economia. Afinal, uma hora a conta chega e quem paga sempre são os mais pobres.

Enquanto uns diziam “cuidem da saúde, a economia vem depois”, eu lutava para que a indústria e o comércio ficassem abertos, mantendo os empregos e o sustento dos brasileiros. Eu já passei por dificuldades na vida e sei o quanto é difícil faltar dinheiro para o pão de cada dia. 

Como todos sabem, estamos diante de uma das maiores pandemias da história da humanidade. Passados dois anos, ainda estamos todos aprendendo. Ao contrário do que tentam me imputar, eu não sou negacionista. Nunca neguei ou duvidei da doença. Tanto que as minhas ações pró-saúde não ficaram só no discurso.

Eu mandei 200 cilindros de oxigênio para Manaus, no valor de R$1 milhão. Compramos respiradores, máscaras, camas, utensílios... Auxiliamos na reforma de UTIs e destinamos mais de R$ 5 milhões em doações para área da saúde. 

Eu não sou e nunca fui contra a vacina. Tanto que disponibilizei todos os estacionamentos das lojas espalhadas pelo Brasil como pontos de vacinação.

Além disso, juntamente com outros empresários, fizemos a campanha para que a iniciativa privada pudesse comprar para DOAR e AJUDAR o país a acelerar o processo de imunização. Fomos apoiados por quase meio milhão de brasileiros em um abaixo-assinado nesta causa. 

Este foi o meu crime? Tentar ajudar o meu país? Eu gostaria de entender, senhoras e senhores, o que um empresário, que emprega 22 mil pessoas, que nunca vendeu ou comprou do Serviço Público, que nada tem a ver com hospitais ou respiradores, está fazendo sentado aqui nesta cadeira? 

Hoje sou vítima de um conjunto de narrativas, única e exclusivamente por eu não ter medo de falar a verdade, me expor e mostrar meu apoio. Sou acusado sem provas e perseguido apenas por dar a MINHA OPINIÃO. Aliás, no Brasil existe crime de opinião?

É lamentável ver o meu nome estampado nas manchetes de forma tão irresponsável e, constatar que premissas do bom jornalismo, como imparcialidade e apuração ficaram apenas nos livros e na teoria.

Parte da grande imprensa faz comigo aquilo que tanto condena e que diz lutar contra: fake news.

Eu quero afirmar aqui, nesta Casa do Povo, com a consciência tranquila e com a serenidade de quem tem a verdade do lado:

Não conheço, não faço e nunca fiz parte de nenhum gabinete paralelo;

Nunca financiei nenhum esquema de fake news;

Não sou negacionista.

Sou apenas um brasileiro, que sonha em viver em um país melhor, que deu a cara a tapa e que está apanhando por isso.

Comigo é tudo olho no olho. Todas as minhas posições e opiniões foram postadas em minhas redes sociais e estão lá, públicas, para quem quiser ver. 

Por mais de 30 anos, a Havan foi uma empresa conhecida de um dono desconhecido. Há 5 anos, eu tive que aparecer para desmentir uma onda de fake news, em que diziam que a Havan era de políticos ou de filhos de políticos. Vocês não imaginam o quanto a imagem da empresa estava sendo prejudicada por isso.

Em 2018, cansado de ver tanto descaso com nosso país, resolvi ser um ativista político. Fui aconselhado por todos a minha volta:  “empresário não deve se manifestar e nem se meter em política”.

Mas, a política é a base de tudo. Não vamos mudar o país sentados no sofá de casa. Entrei nas redes sociais para ter uma voz e acabei me tornando a voz de milhões de brasileiros.

Eu ando nas ruas por todo o Brasil, escuto as pessoas e, através das minhas redes sociais, falo o que está entalado na garganta da maioria dos brasileiros. Quero falar aos meus seguidores, aos milhões de brasileiros que me acompanham diariamente: eu não me arrependo de ter dado a cara a tapa. Eu estou com vocês.

Vou continuar usando minhas redes sociais para postar conteúdos motivacionais, de empreendedorismo e também de política. Como qualquer outro brasileiro, resguardado pela nossa Constituição e nossa democracia, tenho direito à OPINIÃO e não abro mão da minha liberdade de expressão.

Peço aos empresários, comerciantes, homens e mulheres de bem deste país, que nunca se deixem amedrontar. Como disse Martin Luter King, o que mais me preocupa não é o grito dos maus, mas o silêncio dos bons.

Por fim, quero compartilhar com vocês o que a minha esposa, Andrea, me disse quando eu estava saindo de casa:

“Eles vão te maltratar, atacar a tua honra e tentar destruir a tua reputação. A verdade está com você. Então, mostre quem você é e tudo o que fez pelo Brasil e pelos brasileiros. Não saia de lá como um covarde. Coisa que você nunca foi”.

É assim que vou encarar minha participação nesta CPI. Pronto para responder qualquer pergunta, com muito respeito, de cabeça erguida e peito aberto.

 

Obrigado a todos os brasileiros!

Luciano Hang