Segunda, 30 Agosto 2021 21:34

CENTRÃO, CLARO, CHORA, MAS NÃO LARGA OSSO...

Avalie este item
(0 votos)

Partido do Centrão, PL se queixa do Planalto mas descarta desembarque do governo

Parlamentares da sigla liderada por Valdemar Costa Neto têm feito críticas contra o ministro da Economia, Paulo Guedes, e cobrado mais espaço na Esplanada dos Ministérios

  • Por André Siqueira

Dono da terceira maior bancada da Câmara dos Deputados e um dos principais partidos do Centrão, o Partido Liberal (PL) não anda muito feliz com o governo federal.

Nas últimas semanas, parlamentares da sigla, presidida por Valdemar Costa Neto, têm feito críticas a ministros de Estado – pública ou reservadamente. Segundo relatos feitos à Jovem Pan, houve, inclusive, uma discussão sobre qual seria o posicionamento a ser adotado pela legenda, que integra a base de apoio ao presidente Jair Bolsonaro, daqui para frente, mas, ao menos por ora, o desembarque está descartado.

Circula pelo WhatsApp um vídeo, ao qual a Jovem Pan teve acesso, no qual o deputado federal Altineu Côrtes (PL-RJ), presidente estadual do PL, pede a saída do ministro da Economia, Paulo Guedes. O parlamentar rebate a fala do titular da pasta sobre o aumento da conta de luz. “Qual o problema agora que a energia vai ficar um pouco mais cara porque choveu menos?”, questionou o ministro na última semana. No vídeo, Côrtes diz que Guedes “zombou do povo brasileiro” e “está atrapalhando o governo Bolsonaro”.

“Muita gente dentro do governo, que quer o bem do governo Bolsonaro, torce pro senhor sair”, afirma. Em outro trecho do vídeo, o deputado comenta as declarações do “Posto Ipiranga” do governo sobre a situação econômica do país e diz que ele “enrolou no pagamento do auxílio emergencial. “As pessoas estão passando muita dificuldade, a massa do povo brasileiro tem dificuldade para se alimentar”, acrescenta.

...

Vice-presidente da Câmara, o deputado Marcelo Ramos (PL-AM), é outro que endossa as críticas a Guedes. “Não tenho nenhum desapreço pessoal pelo ministro Paulo Guedes, pelo contrário, o respeito e quero bem, mas é impressionante a desconexão dele com a realidade do povo. Desemprego, fome, inflação, juros não o incomodam. O sonho do brasileiro era morar no discurso do ministro”, escreveu em seu perfil no Twitter, na quinta-feira, 26. No dia seguinte, Ramos afirmou, também na rede social, que Guedes “vive num universo paralelo”. Embora filiado ao PL, Marcelo Ramos vinha adotando uma postura de independência ao governo até recentemente: votava favoravelmente às pautas econômicas, mas era contra a dita “pauta de costumes”, por exemplo. No entanto, depois de ter sido acusado por Bolsonaro de ter “atropelado o regimento” da Câmara e impedido a votação de um destaque do partido Novo que vetaria o aumento do Fundo Eleitoral, o vice da Casa se tornou opositor do Planalto.

Em geral, os deputados do PL afirmam que ministros do governo não dão a devida atenção aos partidos da base aliada. “Temos muita dificuldade para conseguir agenda e ter os pleitos atendidos. Há uma insatisfação interna, há uma reclamação geral. Não recebemos o tratamento esperado”, disse à reportagem um parlamentar que apoia Bolsonaro desde o início de sua campanha à Presidência. Há, ainda, uma outra razão: o partido quer um “equilíbrio de forças” na Esplanada dos Ministérios. Embora a ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, seja do PL, integrantes da sigla citam o fato de o Progressistas (PP) ocupar o principal posto do governo, a Casa Civil, pasta comandada por Ciro Nogueira (ex-presidente nacional do PP), e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), controlar a liberação de emendas parlamentares.