Domingo, 22 Agosto 2021 11:11

Alvo de Moraes não aparece para depor

Avalie este item
(0 votos)

Otoni de Paula não aparece para depor e defesa critica decisões do STF

Deputado foi alvo de operação da Polícia Federal na última sexta-feira em investigação sobre ataques a instituições republicanas e democráticas

  • Por Jovem Pan

O deputado federal Otoni de Paula (PSC) não compareceu nesta sexta-feira, 20, a Superintendência do Distrito Federal para prestar depoimento no âmbito de uma investigação sobre ataques a instituições republicanas e democráticas. Nesta sexta, 20, a Polícia Federal, por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes cumpriu mandados de busca e apreensão em quase 30 endereços espalhados pelo Brasil.

Entre os alvos, estava o cantor e compositor Sérgio Reis e outros personagens.

No Rio de Janeiro, foi cumprido um mandado de busca e apreensão em locais ligados a Otoni na Barra da Tijuca e Jacarepaguá. Os agentes apreenderam um telefone celular e um laptop. Além disso, entregaram um intimação ao parlamentar para que ele prestasse esclarecimentos na sede da Polícia Federal. Sérgio Reis também não compareceu na sede da PF em São Paulo. Ele foi convocado a prestar depoimento. Mas, por não se tratar de uma condução coercitiva, não compareceu ainda.

Ele estava sendo aguardado na tarde desta sexta. No entanto, o parlamentar não compareceu.

Otoni de Paula lançou mão de uma prerrogativa parlamentar: como deputado federal, ele pode escolher dia, hora e local do depoimento.

Quem esteve no Rio de Janeiro foi o advogado dele, Marcelo Brunner, que saiu reclamando da decisão do ministro Alexandre de Moraes e fazendo criticas ao STF e ao poder Judiciário.

“Rui Barbosa, maior jurídico que tivemos, disse que a pior ditadura é a ditadura da toga. Não me refiro a ninguém pessoalmente. Mas o artigo da Constituição diz em quaisquer palavras, opiniões e pensamentos. Infelizmente não é o que vem acontecendo.” Em julho do não passado, a PGR apresentou uma denúncia contra Otoni de Paula. Os motivos foram os ataques ao ministro Alexandre de Moraes.