Domingo, 22 Agosto 2021 11:04

Impeachment contra Alexandre de Moraes em alerta no STJ

Avalie este item
(0 votos)

STJ diz estar preocupado com pedido de impeachment contra Alexandre de Moraes

Em nota, Corte disse que a convivência entre os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário exige ‘aproximação e cooperação’

  • Por Jovem Pan

Superior Tribunal de Justiça (STJ) se posicionou neste sábado, 21, em relação ao pedido de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mostrando estar preocupado com a situação. A peça foi apresentada ao Senado na última sexta-feira, 20, pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“O Superior Tribunal de Justiça vem a público expressar sua preocupação com o pedido de impeachment apresentado contra o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, no pleno exercício de suas atribuições constitucionais”, afirmou o STJ. Em nota, a Corte disse que as decisões judiciais “podem ser questionadas por meio de recursos próprios, observado o devido processo legal”, mas salientou que “a convivência entre os Poderes exige aproximação e cooperação, atuando cada um nos limites de sua competência, obedecidos os preceitos estabelecidos em nossa Carta Magna”.

Este foi o primeiro pedido de impeachment contra um ministro do STF apresentado por um presidente da República.

A Ajufe, a Associação dos Juízes Federais do Brasil, e a AMB, Associação dos Magistrados Brasileiros, também saíram em defesa da Moraes, após a solicitação de afastamento defendida pelo presidente Jair Bolsonaro. Em nota conjunta, as entidades declararam que o ato do presidente representa um ataque à independência e à harmonia entre os Poderes e que o magistrado tem independência funcional para tomada de decisões.

“Decisões judiciais devem ser contestadas no âmbito do Poder Judiciário e jamais por meio de instrumentos políticos. Temos a certeza de que as instituições – em especial, o Senado Federal – saberão reagir a toda e qualquer tentativa de rompimento do Estado de Direito e da ordem democrática”, diz a nota, assinada pelos presidentes Eduardo André Brandão, da Ajufe, e Renata Gil, da AMB.