Segunda, 19 Julho 2021 15:50

SEM VOTO AUDITÁVEL, SERÁ FRAUDE...

Avalie este item
(0 votos)
Sem agenda e depois de 5 dias internado, Bolsonaro deixou a residência oficial para despachar no Palácio do Planalto nesta 2ª feira
POR PODER 

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar nesta 2ª feira (19.jul.2021) a postura do ministro Luís Roberto Barroso, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ao defender o voto impresso. O chefe do Executivo afirmou que “eleições não auditáveis” serão o mesmo que fraude.

Na semana passada, a deliberação sobre a proposta do voto impresso foi adiada e deve ser votada em 5 de agosto.

Esse voto auditável, as mesmas pessoas que tiraram o Lula da cadeia e o tornaram elegível vão contar os votos dentro do TSE de forma secreta. As mesmas pessoas. O pessoal diz que estou ofendendo o ministro Barroso. Não estou ofendendo estou mostrando a realidade”, declarou para apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

 

Bolsonaro citou que não pode interferir no Legislativo, mas que Barroso “foi para dentro do parlamento se reunir com parlamentares”. “Agora, eleições não auditáveis, isso não é eleição. Isso é fraude”, disse. Segundo ele, o pleito de 2022 para a escolha de deputados federais também poderá ter fraude.

Eu entrego a faixa para qualquer um, se eu disputar a eleição. Se eu disputar, eu entrego a faixa para qualquer um, mas em eleições limpas. Agora, participar de uma eleição com essa urna eletrônica…”, afirmou.

Questionado sobre a aprovação da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) com fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões, Bolsonaro também voltou a responsabilizar o 1º vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM). Ele chamou o deputado de “insignificante”.

Teve um destaque para votar em separado os R$ 6 bilhões. O presidente da Câmara, o presidente em exercício lá de Manaus, como é nome do cara? Tão insignificante que esqueci o nome dele. [Ele] atropelou o regimento, ele não deixou votar.  Agora cai para mim sancionar ou vetar, tenho 14, 15 dias úteis”, declarou.

Marcelo Ramos já havia reagido ontem a declarações do presidente em relação à aprovação da LDO e do fundo eleitoral. O deputado desafiou Bolsonaro, via redes sociais, a vetar o fundo. “Ele deveria é dizer que vai vetar, mas vai tentar arrumar alguém para responsabilizar também, porque é típico dele e dos filhos correr das suas responsabilidades e obrigações”, disse o deputado.

Nesta 2ª feira, Bolsonaro não tem agenda oficial prevista, mas está despachando do Palácio do Planalto. O presidente recebeu alta no domingo (19.jul) depois de 5 dias hospitalizado para tratar uma obstrução parcial do intestino. Questionado sobre sua agenda, Bolsonaro disse em tom de brincadeira que iria “perturbar ministro”. Ele comentou ainda que segue em dieta com alimentação pastosa. “Doido para um churrasco”, comentou.