Quinta, 08 Julho 2021 17:36

BARROS QUER SER OUVIDO LOGO NA CPI

Avalie este item
(0 votos)
Líder do Governo na Câmara, deputado Ricardo Barros quer ser ouvido na CPI antes do recesso do Congresso
POR 

O líder do governo Jair Bolsonaro na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), disse que espera ser ouvido na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado antes do recesso do Congresso, previsto para a 2ª metade de julho. A fala de Barros foi durante o seu discurso na tribuna do plenário da Câmara dos Deputados nesta 5ª feira (8.jul.2021).

“Espero que ou o STF (Supremo Tribunal Federal) ou o presidente Omar Aziz, a quem eu também estou oficiando hoje administrativamente, conceda a marcação da minha data de oitiva antes do recesso parlamentar, portanto, até 6ª feira (16.jul.2021) que vem”, disse o deputado. Ele afirmou que não teve oportunidade de fazer esclarecimentos.

 

Barros acionou a Corte no começo de julho, alegando que estava sendo impedido de exercer sua defesa “por abuso de poder da CPI”. O depoimento ao colegiado estava marcado para esta 5ª feira (8.jul.2021), mas em seguida foi adiada, sem nova data definida.

O deputado é alvo de suspeita envolvendo supostas irregularidades nas negociações de compra da Covaxin, vacina contra a covid-19. Seu nome foi apontado pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF), que disse à CPI que o presidente Bolsonaro teria citado o nome de Barros ao saber dos problemas nas tratativas do imunizante.

O líder do governo afirmou não tem “nenhuma questão” com Luis Miranda. “Ele fez o que achou que deveria, e eu estou procurando a oportunidade de ir à CPI para esclarecer os fatos que envolvem o meu nome”. 

INDICADO PELO LUPION

Barros também disse que tem uma “relação de muitos anos” com o ex-diretor de logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, e que não foi responsável pela sua indicação à pasta. O deputado comentou sobre uma fala de Dias à CPI da Covid na 4ª feira (7.jul.2021). O ex-diretor declara que foi indicado ao ministério por Abelardo Lupion.

“Roberto Dias é do Paraná, foi nomeado pela minha esposa, Governadora Cida Borghetti, Diretor-Geral da Secretaria de Infraestrutura, na qual o ex-Deputado Abelardo era Secretário e, portanto, levou com ele alguém da sua equipe. Antes, ele era Diretor da Cohapar (Companhia de Habitação do Paraná) também indicado por Abelardo Lupion, que era Presidente da Cohapar, portanto, é uma relação de muitos anos, e ele era um profissional concursado da COHAPAR”. 

“Eu já fui citado inúmeras vezes na CPI. Para todas as pessoas que vão lá, o Relator pergunta se têm relação comigo, os Senadores perguntam se têm relação comigo. Todos negaram, mas eu mesmo não tive a oportunidade de fazer o esclarecimento”, declarou.

Barros disse que o combate à corrupção “está no DNA do governo Bolsonaro”. O deputado citou ações adotadas pelo Executivo federal para aprimorar o controle e políticas de compliance. Falou sobre acordos entre Ministério da Saúde e órgãos de fiscalização, como CGU (Controladoria Geral da União) e TCU (Tribunal de Contas da União).

“Vou lembrar que economizei R$ 5 bilhões nos 2 anos em que fui ministro, justamente pela ação de redução de preços de medicamentos que foi feita durante o nosso mandato e pela revisão de vários contratos administrativos também”. Barros comandou a pasta da Saúde entre 2016 e 2018.