Terça, 01 Junho 2021 15:16

GENERAL CONTINUA NO GOVERNO

Avalie este item
(0 votos)
POR /Poder360

 

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello foi nomeado nesta 3ª feira (1º.jun.2021) chefe da Secretaria de Estudos Estratégicos, uma das secretarias da SAE (Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos).

O cargo é enquadrado na Direção e Assessoramento Superior (DAS) no nível 6, a mais alta das disponíveis. A remuneração é de R$ 16.944,90. A nomeação passou por aprovação do ministro Luiz Eduardo Ramos, da Casa Civil da Presidência da República.

 

Pazuello terá entre suas tarefas planejar e formular políticas e estratégias nacionais de longo prazo. Quem comanda a SAE atualmente é o almirante Flávio Rocha. O militar faz parte do grupo de confiança do chefe do Executivo e chegou a ser nomeado secretário de Comunicação quando Fábio Wajngarten saiu do posto.

A ida de Pazuello para mais um cargo do governo, desta vez ainda mais próximo do presidente Jair Bolsonaro, acelera a tentativa dos comandantes do Exército para que o general da ativa vá à reserva.

O Exército abriu em 24 de maio um processo administrativo contra o ex-ministro da Saúde pela participação em ato favorável ao governo federal em 23 de maio. Houve aglomeração no evento, que incluiu um passeio de moto com a presença do presidente Jair Bolsonaro. Os 2 não utilizaram máscara. O ex-ministro apresentou em 27 de maio sua defesa ao comandante.

Caso não haja arquivamento sumário do processo, Pazuello será chamado para fazer a sustentação oral de sua defesa. Se punido, o general pode receber advertência, uma repreensão oral ou ser preso.

 

 

Além dos conflitos na corporação, o general da ativa é alvo da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, no Senado. O presidente da comissão, Omar Aziz (PSB-AM) afirmou que o ex-ministro será reconvocado a prestar depoimento sobre as ações e omissões do governo federal na condução da pandemia.

Segundo Aziz, as duas oitivas de Pazuello à CPI foram “hilárias“, pois o ex-ministro teria mentido ao dizer que a declaração de 22 de outubro de 2020, “um manda e o outro obedece“, seria apenas uma brincadeira de internet.

Pazuello foi o 3º a chefiar a pasta na gestão Bolsonaro. Assumiu interinamente em 15 de maio, depois que Nelson Teich pediu demissão. O militar foi efetivado no cargo só em setembro de 2020.

Afirmou em seu discurso de despedida, aos servidores do Ministério da Saúde, que sofreu boicote interno e pressões políticas para deixar o ministério. O médico Marcelo Queiroga foi escolhido por Bolsonaro para substitui-lo.

EIS AS FUNÇÕES DA SECRETARIA DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS:

I – produzir subsídios sobre assuntos estratégicos;

II – promover o debate e o intercâmbio de ideias sobre assuntos estratégicos com os entes públicos e privados; e

III – analisar cenários relacionados a assuntos estratégicos.