Terça, 25 Maio 2021 20:14

Mayra Pinheiro defende cloroquina e contradiz Pazuello

Avalie este item
(0 votos)
...Secretária depôs por 7 horas...
POR ...

Durou cerca de 7 horas o depoimento da secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, à CPI da Covid nesta 3ª feira (25.mai.2021), no Senado. Conhecida como “Capitã Cloroquina”, ela voltou a defender o uso do medicamento, sem comprovação científica, e trouxe poucas novidades aos congressistas do colegiado.

Pinheiro apontou contradições de dados apresentados pelo ex-ministro Eduardo Pazuello sobre o agravamento da crise sanitária no Amazonas, em janeiro deste ano, e sobre o aplicativo Tratecov.

A secretária, no entanto, afirmou nunca ter recebido ordens nem da cúpula do Ministério da Saúde, nem do presidente Jair Bolsonaro para defender a disseminação do medicamento, sem eficácia comprovada contra o coronavírus, mas admitiu que o ministério orientou médicos de todo o país a adotarem o tratamento precoce. A secretária afirmou que as doses recomendadas eram seguras.

Nós estabelecemos doses seguras para que os médicos pudessem utilizar esses medicamentos com o consentimento dos seus pacientes”, afirmou.

POR Poder360

 

Pinheiro disse aos senadores que o Ministério da Saúde foi informado sobre a falta de oxigênio em Manaus em 8 de janeiro por um email da empresa White Martins que foi repassado à pasta pela Secretaria Municipal de Saúde. Na semana passada, o ex-ministro Eduardo Pazuello disse à CPI, no entanto, disse que a pasta teria sido informada apenas no dia 10.

A secretária, que é médica, disse não ter sido informada sobre a crise pela falta do insumo enquanto esteve na capital amazonense porque nem mesmo as autoridades locais tinham noção da extensão do problema. Ela afirmou não ser possível estimar com precisão o aumento da demanda de oxigênio na região.

Nós não sabemos a evolução dos pacientes. Por isso que a covid-19 é uma doença grave de desfecho incerto. Eu não consigo saber quem vai ter o quadro que não vai precisar de internamento e quem vai evoluir para o óbito”, afirmou. Ela também ressaltou que não é competência do Ministério da Saúde cuidar do abastecimento, estoque e fornecimento de oxigênio.

O relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), no entanto, disse que o relatório elaborado por Pazuello estimava um aumento substancial de casos entre 11 a 15 de janeiro por causa dos feriados de Natal e Ano Novo. “E por que não se previu, em função disso, a falta de oxigênio?”, questionou.

Pinheiro confirmou à CPI que o ministério enviou ofício à Secretaria de Saúde de Manaus para estimular a gestão municipal a usar medicamentos contra a covid-19, entre eles, a cloroquina. No documento, ela classificou como “inadmissível” a não adoção da orientação pela capital amazonense.

A secretária disse reiteradas vezes defender o tratamento precoce de qualquer tipo de doença, em um esforço para salvar vidas, e que a tomada de decisão em um cenário de pandemia “exige respeito à autonomia médica, respeito à soberania dos países e dos seus órgãos de saúde”.

Temos que ter a capacidade de nos livrarmos das afirmações categóricas das verdades externas”, disse. Mayra afirmou que entregaria à CPI cerca de 2,4 mil artigos os quais, segundo ela, defendem o chamado tratamento precoce.

De acordo com ela, nota técnica do ministério que recomendava o uso da cloroquina não foi revogada, apenas foi tirada do ar porque novo documento está sendo elaborado pelo pasta.

Questionada pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) sobre se o apelido de “Capitã Cloroquina” a incomoda, a secretária disse não achar o termo adequado. “Porque não sou oficial do Estado, sou médica. Prefiro ser chamada de Dr. Mayra Pinheiro”, disse. Em seu depoimento, ela defendeu o uso de máscaras, distanciamento social, vacina e medicamentos que possam tratar a doença.

TRATECOV

Pinheiro disse à CPI que houve uma extração de dados do aplicativo Tratecov, que prescrevia medicamentos do chamado “kit covid”, mas ele não foi alterado por hackers. Ele foi tirado do ar para investigações. Pazuello, no entanto, disse que um hacker roubou o aplicativo, manipulou informações e colocou a versão incompleta na rede.