Sexta, 07 Maio 2021 10:46

DF COM PESSOAS ESCOLHENDO VACINA

Avalie este item
(0 votos)

Por /Poder 360

Segundo a Secretaria de Saúde do Distrito Federal, moradores de Brasília e das regiões administrativas estão tentando escolher a marca das vacinas que querem receber contra a covid-19. A pasta diz que esse comportamento começa a preocupar os gestores públicos, pois pode atrasar a imunização na região.

Atualmente no Brasil, são distribuídas vacinas de 3 laboratórios: Instituto Butantan (CoronaVac), Fiocruz (AstraZeneca) e Pfizer. Nas unidades de saúde que fazem a aplicação das doses, alguns moradores perguntam antecipadamente qual a marca é oferecida. Se não quiserem de determinado laboratório, eles buscam outro local.

Para alguns existe a ideia de que uma vacina pode ser melhor e ter mais eficácia que outra. Mas não é bem assim, como explica Marcela Lopes, epidemiologista e coordenadora técnica da Sala de Situação em Saúde da UnB (Universidade de Brasília). Segundo ela, cada imunizante foi testado e fabricado em uma situação específica, o que apesar de diferenciá-los, não faz com que fiquem melhores entre si.

Para tentar conter esse problema, a Secretaria de Saúde lançou uma campanha com o slogan “Não importa a marca, o importante é vacinar!”. “É uma forma de as pessoas serem informadas de que as 3 vacinas oferecidas, atualmente, no Brasil são eficazes, seguras e garantem proteção contra a covid-19”, diz a pasta.

Por Poder360

O subsecretário de Atenção Integral à Saúde, Alexandre Garcia, diz que o comportamento é motivo de preocupação para o órgão. “Essa vacina é uma vitória para o brasileiro, ela custou para chegar e não importa a marca. Ela tem feito seu papel biológico”. Garcia lembra que, por causa da vacinação, houve uma queda nas internações de idosos por covid-19.

Lopes ressalta que ainda não existem estudos que façam comparações entre as vacinas. “A estatística é uma ciência que não é exata, então não posso comparar um número com o outro como, por exemplo, um tipo da vacina tem 62% de eficácia e o outro tem 76%. O que isso quer dizer? Para a estatística, todos os números são acompanhados de um intervalo de aproximação”, afirma.

Segundo ela, cada vacina possui características próprias, pois são fabricadas por laboratórios diferentes. Mas todas buscam e alcançam o mesmo propósito: imunizar a população.

O engenheiro agrônomo, João Lucas Cotrim, 26 anos, concorda e está ansioso para chegar sua vez na fila da imunização. Ele conta que tem vivido dias de muita tensão e medo, morando com a mãe que é portadora de valvopatia –doença que atinge as válvulas cardíacas- ele diz que teme pela vida dela, mas também acredita que agora não existe mais grupo de risco.

O engenheiro agrônomo diz que toma qualquer imunizante que estiver disponível. “Todas as vacinas são de qualidade e foram aprovadas pelos órgãos responsáveis”. Para Janaina Rico, de 41 anos, a preferência é pela CoronaVac. Segundo ela, a escolha é por causa do intervalo de doses, que é menor. “É muito segura e testada. Nem todas são. A Sputnik V, por exemplo, eu duvido bastante pela falta de acesso aos resultados”, a vacina russa que foi vetada pela Anvisa.

VACINAS DISPONÍVEIS

O primeiro imunizante aprovado no país foi a CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac, produzida no Brasil em parceria com o Instituto Butantan. Em seguida, veio a AstraZeneca, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e depois o imunizante norte-americano da farmacêutica Pfizer em parceria com o laboratório alemão do grupo BioNTech.

As vacinas desses laboratórios exigem a aplicação de duas doses para atingirem a máxima eficácia. Para a CoronaVac, o tempo é de 21 a 28 dias entre uma dose e outra. No caso da Pfizer e da AstraZeneca, são necessários 3 meses.

TEMPO ENTRE DOSES FAZ DIFERENÇA?

Janaína diz que, apesar de confiar nos outros 2 imunizantes disponíveis, não se sente segura quanto ao intervalo de 3 meses necessário entre uma dose e outra. “Por isso eu não gostaria de receber essa vacina”, afirma.

Quanto ao intervalo de tempo entre a 1ª e a 2ª dose, Lopes afirmar que essa variação também se deve à maneira como foram fabricadas. “Porém, precisamos entender que se uma vacina requer um intervalo de tempo maior, isso não quer dizer que seja menos efetiva e sim que ela estará ajustada de acordo com sua efetividade”.

Então, não existe isso de que uma imuniza com mais rapidez por ter um tempo menor entre doses. Cada vacina consegue cobrir a necessidade de imunização apesar de ter um período de janela maior”, conclui.

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal ainda afirma que o impacto real sobre a proteção de uma vacina é avaliado quanto à efetividade- medida de acordo com a imunização em massa da população.

Todas as vacinas oferecidas no PNI (Programa Nacional de Imunização) – não somente a que previne a covid-19 – têm eficácia contra as doenças que são indicadas”.