Quarta, 28 Abril 2021 20:28

Uber e motorista, agora é lei

Avalie este item
(0 votos)

Justiça do Trabalho reconhece vínculo de emprego entre Uber e motorista...Empresa terá que pagar salário...Valor considerado é de R$ 3.000

 



O TRT-15 (Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região), em Campinas, no interior de São Paulo, decidiu reconhecer o vínculo trabalhista entre um motorista e a empresa Uber. A decisão foi divulgada nesta 4ª feira (28.abr.2021). Eis a íntegra (2 KB). O julgamento foi realizado no dia 20 de abril. Ainda cabe recurso.

O caso chegou ao TRT-15 depois que o motorista perdeu o processo em 1ª instância. Ele pedia para ser reconhecido como empregado da empresa, nos períodos de 10 de agosto de 2017 a 17 de julho de 2018 e de 26 de julho de 2019 a 24 de setembro de 2019.

 

Para os juízes do TRT-15, a empresa deve pagar ao motorista salário equivalente a R$ 3.000 mensais. Os magistrados consideraram a análise do MPT (Ministério Público do Trabalho) sobre o caso. Os procuradores afirmam que os clientes atendidos pelo aplicativo são da Uber e não do motorista, sendo vedado qualquer contato entre as partes até o momento da corrida.

Além disso, o MPT diz que os motoristas não sabem o quanto ganham por viagem e não trabalham por conta própria, mas em favor alheio, pois não podem nem estipular o preço das viagens.

ACORDO FRUSTRADO

De acordo com o TRT-15, a Uber chegou a firmar acordo com o motorista, para que o caso não fosse levado a julgamento. No entanto, os juízes rejeitaram a homologação, pois consideraram que a empresa estava agindo para impedir a análise judicial.

Agora, o caso deverá voltar à 1ª instância, para que sejam analisados outros pedidos do motorista.

Poder360 entrou em contato com a Uber para um posicionamento, mas ainda não teve retorno. Se enviado, será incluído nesta reportagem.