Quinta, 04 Março 2021 10:44

Canadá aposta em energia nuclear para reduzir emissões de carbono.

Avalie este item
(0 votos)

 

O Canadá decidiu expandir ainda mais o uso da energia nuclear para reduzir as emissões de carbono, o que faz do país uma exceção entre as nações desenvolvidas.

Não vemos um caminho onde alcancemos emissões zero de carbono até 2050 sem energia nuclear. É comprovado, é testado e é seguro. Somos bons nisso”, disse Seamus O’Regan, ministro de recursos naturais do país.

O Canadá já ocupa o 6º lugar entre os países em termos de geração de energia nuclear, de acordo com o Instituto de Energia Nuclear dos Estados Unidos.

A eletricidade produzida a partir de 19 reatores nucleares é responsável por 15% do fornecimento de energia do país, e em Ontário, por exemplo, a energia nuclear é a principal fonte de eletricidade, responsável por 60%.

No final do ano passado, o governo federal estabeleceu um plano para incentivar a implantação de pequenos reatores modulares, ou SMRs. Eles são uma nova classe de reatores e podem produzir energia suficiente para uma cidade de 300 mil habitantes.

 Essas versões menores podem ser transportadas e colocadas em locais onde são ligadas à rede elétrica para atender a uma grande região, ou atender às necessidades de áreas industriais ou pequenas cidades.

Um dos argumentos usados é que os SMRs são mais eficientes na produção de eletricidade e e que seus custos os tornam competitivos com combustíveis fósseis, como gás natural e carvão.

As autoridades canadenses consideram os pequenos reatores modulares como uma maneira de fornecer eletricidade para comunidades remotas e indígenas do norte, algumas das quais são abastecidas por diesel.

A Terrestrial Energy, uma empresa com sede em Toronto, está desenvolvendo um reator de 300 megawatts que usa sal derretido como refrigerante e combustível. O governo canadense concedeu à empresa o equivalente a cerca de R$ 90 milhões em financiamento para ajudar a estimular novas pesquisas.

No entanto, mesmo alguns defensores da energia nuclear dizem que pequenos reatores provavelmente custarão mais por megawatt.

“É uma pena, na minha opinião, porque você passou todo esse tempo, todos esses anos desenvolvendo e testando a última geração de grandes reatores…Os reatores inéditos normalmente sofrem atrasos e são mais caros do que você imagina”, disse George Borovas, chefe da prática nuclear do escritório de advocacia Hunton Andrews Kurth.