Sexta, 19 Fevereiro 2021 11:23

‘FIQUE EM CASA’ FOI UM ERRO...

Avalie este item
(0 votos)

Por P

O ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, disse no domingo (14.fev.2021) que a orientação para o distanciamento social, chamada por ele de “fique em casa”, foi um “erro” mundial. A declaração, feita em entrevista à GloboNews, vai de encontro ao que apontam dos dados, que mostram aumento dos contágios depois do relaxamento das medidas de distanciamento, como nos dias posteriores a datas comemorativas.

“A gente começou a ver as notícias da Itália de idosos serem encontrados mortos nas casa, o tal do fique em casa que foi um erro, na Espanha… Então é uma doença que, desde o seu início, ainda não se tem até a data de hoje um completo conhecimento.”

O ministro disse que não se sabia a gravidade da pandemia em seu começo e minimizou os erros cometidos pelo governo:Podem ter sido cometidos, porque perfeito só Deus”, disse. Para Ramos, a pandemia seria comparada a um tsunami no Rio de Janeiro: algo que o país também não estaria preparado porque não é comum.

O Brasil é o 3º país com mais casos de covid-19. Mais de 9 milhões já foram infectados. Levantamento do Poder360 indica que o registro de diagnósticos aumenta depois de feriados, quando pessoas reúnem-se em maior número apesar das recomendações de distanciamento social.

A análise compara a média móvel de novos casos nas datas comemorativas e depois de duas semanas. Especialistas afirmam que existe uma maior probabilidade de transmitir o vírus em até 14 dias após ser infectado.

Foram considerados os feriados a partir de novembro de 2020 e os 2 turnos das eleições. A menor variação foi de 10%, verificada 14 dias depois do Natal.

 

 

CENTRÃO E AUXÍLIO EMERGENCIAL

O ministro negou na entrevista que tenha havido uma aproximação do governo de Jair Bolsonaro aos partidos de centro, grupo chamado de Centrão. Ele definiu o movimento como um “amadurecimento”. Também afastou o Executivo da vitória dos novos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), ambos com o apoio do governo.

Não houve [aproximação com o Centrão]… A pessoa vai vendo a importância da conciliação… O presidente verificou a necessidade de fazer uma composição para que pudesse lhe dar tranquilidade nas votações das pautas para o Brasil. Aí chamam isso de aproximação do Centrão. Eu chamo de um amadurecimento político que está dando resultados.”

Já sobre a solução para uma nova rodada de pagamentos do auxílio emergencial, Ramos elogiou o ministro da Economia, Paulo Guedes. Ele tem articulado com Pacheco e Lira a volta do benefício para ajudar as pessoas que ficaram sem renda com o fim do auxílio em 2020.

“Eu estou muito esperançoso e otimista com relação a este ano. Com relação ao auxílio emergencial, o Paulo Guedes que é um ativo do governo, é um patrimônio, ele sabe exatamente o que é importante porque ele tem o conhecimento”, declarou.

ELEIÇÕES 2022

Ramos também disse que ainda não vê adversário para o presidente Jair Bolsonaro na disputa pela Presidência em 2022. Afirmou que os partidos que poderiam fazer oposição estão fragmentados. Descartou ainda uma candidatura do ex-ministro Sergio Moro dizendo que “não é o perfil” do ex-juiz.

“Eu vejo um cenário muito positivo se assim o presidente manifestar a sua vontade de se reeleger, que é um direito democrático dele.”

O ministro disse que os eleitores de Bolsonaro são fiéis e que para conseguir manter sua base é preciso insistir com pautas de costumes, como a das armas, vacinar a população contra a covid-19 e destravar a agenda de reformas do Estado