Quinta, 23 Junho 2022 08:10

EMOÇÃO NA PASSAGEM DE SOM, IMGINA NA NOITE...

Avalie este item
(0 votos)

...A fome de torcer4, a saudade de ver, e o desejo de cantar e dançar só na passagem de som do Garantido já, claro, emocionou os seus torcedores e sua diretoria fez últimos ajustes...O 55º Festival Folclórico de Parintins acontece entre os dias 24 e 26 de junho

SIM, NÃO PODERIA SER DIFERENTE, E A EMOÇÃO CRESCEU NOS AJUSTES DE SOM DO BOI VERMELHO, NO VERMELHUSCO, E A GALERA GARANTIDO curtiu o seu reencontro com seu boi bumbá na passagem de som, nesta quarta, 22, no Centro Cultural Bumbódromo. Como é de praxe acontecer, tal esquema que antecede a realização do 55º Festival Folclórico de Parintins, que começa amanhã, sexta, 24 e encerra domingo, 26.

Antônio Andrade, presidente do Garantido, disse que o ensaio serviu para a direção realizar a preparação da parte técnica do projeto de arena. Andrade reforçou ainda que Parintins vive de cultura e o Festival, que representa fonte de renda para os moradores da cidade e, também, contribui com a economia da ilha tupinambarana.

“A gente se sente preparado para esse festival, tudo conspira a favor, a saudade que a gente estava do festival, aquilo que a ausência do festival nos tirou, emprego, renda. Perdemos muita gente e a gente está aqui para se reconstruir, para fazer um recomeço, para dizer que o festival voltou, a cultura do festival voltou”, disse Andrade.

O boi do povão levou todos os itens oficiais para a arena durante o ensaio técnico.

Para o apresentador do boi do coração na testa, Israel Paulain, hoje é o pontapé inicial para o bicampeonato e o retorno do festival que será o maior da história.

“É o ensaio final pra gente energizar todo o nosso elenco, toda a nossa nação inigualável na arquibancada, no Brasil todo, no mundo todo, para que a gente adentre aqui dia 24 e faça o espetáculo afinado, o espetáculo maravilhoso, impactante e com a marca do Garantido, que é da emoção, do início ao fim”, destacou.

Torcedora apaixonada do boi-bumbá Garantido, a indígena Nilce Gomes, da etnia Sateré-Mawé, confessa que o amor pelo boi vermelho e branco veio desde a infância. Nilce fala da emoção de estar na arena após dois anos de espera. “Estar aqui presente é uma honra em meio a essa pandemia que passou. Muitos se foram, então é uma honra para todo mundo estar aqui nesse momento, vivendo esse momento”, completou.

Investimento

Para colocar os bois na arena em 2022, depois de dois anos sem a realização da festa por conta da pandemia de Covid-19, os bois receberam aporte histórico do Governo do Amazonas.

Foram repassados R$ 10 milhões, sendo R$ 5 milhões para cada agremiação.