Terça, 21 Junho 2022 15:41

LabVerde em imersão artística na Amazônia

Avalie este item
(0 votos)

Projeto que propõe residência na Floresta Amazônica abre o edital Labsonora nesta quarta-feira (22/6), em parceria com o Festival Se Rasgum, voltado para artistes da música e visual da região da Amazônia Legal

Com a proposta de reunir artistas para uma residência e imersão em plena Floresta Amazônica, o LabVerde segue para seu nono ano e abre o edital Labsonora para artistes da Região Amazônica. A grande novidade para o edital de 2022 é a parceria com o Festival Se Rasgum, de Belém, que amplia suas ações para novas experiências musicais. O projeto tem patrocínio da Natura Musical e da Oi através da lei semear de incentivo à cultura via Governo do Estado do Pará e Fundação Cultural do Pará.

O edital será lançado no dia 22 de junho e é direcionado para músicxs, instrumentistes, DJs, VJs, artistes sonoros, de slam e artistes do visual, residentes dos nove estados que compõem a região da Amazônia Legal (Amapá, Acre, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Roraima, Rondônia e Tocantins), que desenvolvam trabalhos autorais/composições próprias e que tenham, pelo menos, cinco anos de experiência.

Debates construtivos

Com a proposta de estimular o desenvolvimento do pensamento crítico sobre natureza, arte e cultura, a residência tem foco na criação artística com debates construtivos e um time de especialistas, pesquisadores do Instituto de Pesquisas da Amazônia, que instigam a interpretação do ecossistema Amazônico, procurando apontar o papel da arte na conscientização socio-ambiental.

As pessoas terão até o dia 17 de julho para se inscrever através de ficha de inscrição on-line no site do LabVerde, com minibio, release ou apresentação textual de seu trabalho, links de álbuns, EPs, faixas lançadas, vídeos de performance ao vivo ou portfólio para artistes visuais. No total, serão 10 selecionados que terão a oportunidade de mergulhar no universo de experimentação em um dos maiores ecossistemas do planeta, em busca de seus sons e imagens com uma programação intensa, mediada por ecólogos e conhecedores locais em reservas ambientais e comunidades indígenas no Rio Negro, Amazonas.

A residência também inclui uma série de discussões, workshops, palestras e apresentações artísticas para aprofundar seu conhecimento sobre a diversidade sociobiológica da Amazônia.