Imprimir esta página
Segunda, 09 Maio 2022 09:38

Câncer de ovário, casos que merecem mais atenção!

Avalie este item
(0 votos)
Dia Mundial de Conscientização sobre o Câncer de Ovário: doença soma 3% dos cânceres em mulheres no Brasil


Considerada uma doença ginecológica rara e silenciosa, o câncer de ovário é responsável por 3% das neoplasias malignas em mulheres no Brasil, com projeção de 6.650 novos casos/ano. No Amazonas, são 80 novos registros anuais, uma média de 5,46 diagnósticos para cada 100 mil pessoas, dado que coloca a alteração em oitava na lista de incidência para o sexo feminino, apontam dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

No Dia Mundial de Conscientização sobre o Câncer de Ovário, celebrado em 8 de maio (domingo), o cirurgião oncológico e voluntário da Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc), Manoel Jesus Pinheiro Júnior, alerta que, por não apresentar sintomas na fase inicial, a alteração é, geralmente, detectada já na fase avançada, o que dificulta o tratamento. “A principal arma contra o câncer de ovário é a detecção precoce, que pode ocorrer, por exemplo, durante um check up anual, indicado para mulheres a partir dos 40 anos, ou, mais cedo, para aquelas que têm histórico de câncer na família”, destacou.

Os ovários são duas glândulas do sistema reprodutor feminino responsáveis pelos hormônios sexuais e produção e armazenamento dos óvulos, consideradas células reprodutivas. De acordo com Manoel Jesus Júnior, o câncer de ovário pode ocorrer não só no ovário, mas também nas trompas de falópio, responsáveis, no processo da gravidez, por transportar os óvulos até o ovário.

Os principais tipos são: tumores epiteliais, tumores de células germinativas e tumores estromais. Em uma fase intermediária ou avançada, a alteração pode apresentar sintomas como constipação intestinal (prisão de ventre), dores abdominais difusas, problemas ou desconfortos digestivos (dispepsia), aumento no volume abdominal, entre outros.


Fatores de risco

“O principal fator de risco para o câncer de ovário é a idade. Não ter filhos e o fator hereditário (que transfere detalhes genéticos de pais para filhos), também podem influenciar diretamente no desenvolvimento desses tumores. Se a mulher tiver histórico desse tipo de doença na família, as chances de desenvolvê-lo são maiores. Por outro lado, quanto mais filhos a mulher tiver, menores são as probabilidades de se ter o câncer de ovário, por conta da amamentação, considerada protetora contra a doença”, destaca o cirurgião.

Outro detalhe, segundo o especialista, é que mulheres com câncer de ovário têm mais chances de desenvolverem o câncer de mama. A correlação existe em função de fatores genéticos que elevam o risco.

Apesar de silenciosa, quando descoberta na forma precoce, a doença tem maiores chances de cura. O tratamento pode envolver, principalmente, cirurgia para a ressecção de um ou ambos os ovários (ooforectomia). E, dependendo da extensão do câncer (se está localizado ou em fase de metástase), pode requerer quimioterapia e também radioterapia.

Já conhece a Lacc?
 
A Lacc foi fundada há 64 anos e desenvolve ações sociais e educativas no Amazonas, através de recursos doados pela população. Entre os projetos, estão: a destinação mensal de cestas básicas a pacientes com câncer, que se encontram em situação de vulnerabilidade social; o aluguel de quartos nas proximidades da FCecon, para acolher pacientes vindos do interior; o transporte de pacientes em tratamento de quimioterapia e radioterapia; a aquisição de alimentação especial para pacientes com restrição alimentar, em decorrência do câncer; o custeio de passagens terrestres e fluviais aos que moram em outras cidades do Amazonas, entre outros.
 
Os principais canais de doação à Lacc são: portal institucional www.laccam.org.br, whatsapp (92) 98484-5436 e telefone convencional 2101-4900, além do PIX  04.499.182 0001-48 (Liga Amazonense Contra o Câncer – CNPJ).
 

--

.........................................................

POR Ana Carolina Barbosa
ASSESSORIA