Segunda, 19 Julho 2021 09:58

AOS QUE AINDA PRECISAM DE AJUDA COM LEÃO

Avalie este item
(0 votos)

Especialista dá dicas de como usar bem o dinheiro da restituição do Imposto de Renda

 

Muitos brasileiros já começaram a receber a restituição do Imposto de Renda (IR). O valor é ressarcido pela Receita Federal, para quem declarou IR e tenha pago mais impostos do que deveria ao longo de 2020. Mas, o que fazer com esse valor extra na conta bancária? Para ajudar os contribuintes, o professor dos cursos de Gestão da Faculdade Santa Teresa, Luís Carlos Ramos, dá algumas dicas. 

“Primeiro, é necessário saber se o contribuinte tem direito à restituição acessando o site da Receita Federal e realizando a consulta. Vale lembrar que o valor recebido irá depender das rendas, deduções, despesas com dependentes, pagamentos efetuados e até mesmo planos de previdência complementar, como o PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), que permitem dedução de até 12% no imposto”, frisou o especialista. 

Ramos explica que também é importante notar que se trata de uma receita extra-orçamento, uma vez que o contribuinte não tem noção exata de quando a devolução será executada, até o governo definir e publicar o calendário para pagamento dos lotes. E, mesmo assim, não se sabe em qual lote o contribuinte será contemplado, pois isso depende da ordem de apresentação das declarações. 

A grande maioria das restituições varia entre R$ 1.000 a R$ 10.000, e é um dinheiro que pode ser utilizado para a satisfação de algumas necessidades do contribuinte. “Em minha opinião, a principal destinação desses recursos deveria ser para quitar dívidas emergentes, aquelas em que o contribuinte pode obter descontos se pagas antecipadamente, ou para evitar cobranças de juros posteriores”, sugere o contador.

Para ele, optar por investir esses recursos, tendo dívidas já contraídas, não parece uma boa opção, haja vista que o valor dos rendimentos é muito superior ao que se cobra de juros no país. 

“Caso as dívidas não impactem no orçamento doméstico, a restituição pode servir para uma reserva emergencial, e aí sim, cabe a utilização em investimentos, particularmente aqueles que confiram uma liquidez mais imediata, já que se trata de aplicação para resgate em necessidades prementes”, indica o professor da Faculdade Santa Teresa.

Se o contribuinte possui o orçamento em ordem e uma poupança para eventualidades, a dica de Ramos é empregar o recurso em algo que possa trazer um benefício e não simplesmente um consumo sem necessidade. Cita ele, por exemplo, aquela pequena reforma na casa, que já vem sendo adiada há tempos, a viagem de relaxamento com a família em um feriadão para recompor as energias, enfim, qualquer situação que traga a possibilidade de melhorar a sua qualidade de vida. 

“Isso também vale para quem possui planos de previdência complementar: a restituição também pode ser destinada para fazer um aporte em seu plano. Com isso, vai aumentar a reserva matemática que permitirá, no vencimento da aplicação, ter uma alternativa melhor de rendimentos, para o caso de saque total ou para melhorar as parcelas que serão destinadas a rendas vitalícias ou não vitalícias”, explica o professor.

 

 

 

--

----------------------------------------------------------------------

FONTE - Três Comunicação e Marketing