Quinta, 07 Julho 2022 09:52

HONRARIA PARA QUEM TEVE A VIDA NOTICIANDO O MUNDO

Avalie este item
(0 votos)

ELE COMEÇOU CEDO NA PROFISSÃO, E COMO OS GRANDES JORNALISTAS QUE SURGIRAM NA SUA ÉPOCA, A FINAL DA DÉCADA DE 50 INÍCIO DE 60, Manoel Lima foi um repórter aguerrido, de rápida absorção dos acontecimentos, visão prestigiosa dos fatos, com uma escriba eloquente, abundante, contextualizada no mais raiz jornalismo, imparcial, ético, factual, sempre trabalhando com matérias focadas no mais rico jornalismo, especialmente o regional, mais especificamente do nosso Norte, do nosso Amazonas, da nossa Amazônia - hoje, aos 80 anos, Manoel Fausto Primavera Lima - pai, avô, marido, e jornalista - agora só observador, lá no recanto de sua aposentadoria acompanha o mundo com o mesmo afinco de quando estava nas ruas ganhando os fatos, porém, segue em outra velocidade, agradece por receber do maior poder político da sua terra, do seu Amazonas a sua maior honraria cabôca - a Medalha do Mérito Legislativo Ruy Araújo.

REDAÇÃO AGNORTE/POR MARLEN LIMA

A Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) tramita requerimento que concede ao jornalista Manoel Lima a sua maior honraria pela 'grande colaboração em desempenho exemplar' como profissional, que atuou além do Amazonas, esteve em Boa Vista/RR, São Paulo/SP, Brasília/DF.

A Mesa Diretora da Aleam espera os devidos trâmites pelas Comissões da Casa, e após isto, uma vez aprovado o requerimento, marcará a data para a entrega da Medalha 'Ruy Araújo'.

O autor do pedido da honraria ao Manoel Lima é de um jovem deputado, atuante, destacado, e um profundo conhecedor da importância do jornalismo amazonense, e especial o exercido pelo decano jornalista, apresentou tal requerimento, que de forma unânime teve sua aprovação. " Parabenizo ao Sr. Manoel Fausto Primavera Lima, pela grande colaboração como jornalista. O homenageado é conhecido no jornalismo regional e nacional como Manoel Lima, nascido em 18 de fevereiro no ano de 1943...", destaca o parlamentar.

Ao lado de sua companheira, sua esposa, Maria de Fátima Mendes Lima

Manoel Lima está hoje vivendo em Brasília, ao lado de sua esposa, que tem mais de 50 anos de casado, pai de três filhos, avô de seis netos, dois netos e quatro netas, suas especiais paixões, o jornalista começou sua vida de repórter  pelos idos de 1960. Atuou em jornais de Manaus. Trabalhou, primeiro, no jornal 'A Tarde', um vespertino; e depois foi para o jornal 'A Critica'.

No final de 1971, Manoel Lima passou a trabalhar num grande jornal do país: O Estado de São Paulo, o Estadão. Ali, realizou grandes matérias sobre a Amazônia, teve muitos contatos com índios desconhecidos, e arredios: os Waimiri-Atroari, os Suruí, os Ava-Canoeiros, os Cinta-Largas, os Marujos, do Alto Javari.

Manoel Lima foi o primeiro repórter a chegar a Serra Pelada, no Pará. Foi amigo do célebre Chico Mendes, e com este realizou boas matérias.

Em 1983 foi nomeado Secretário de Comunicação Social do Governo do Estado do Amazonas. Aqui foi um salto de mudança em sua carreira jornalística, porque em jornais esteve como Redator, Editor, porém, neste ano ao ser convidado pelo professor Gilberto Mestrinho, político, talvez o maior do Amazonas, carismático, extremamente inteligente, o governador Mestrinho quis ter Lima cuidando da sua Comunicação. Manoel foi o único secretário de Estado que ficou os quatro anos de Governo Mestrinho. Na época er amuito comum, ao segundo ano de mandato do governador trocar todo o seu secretariado, novos aliados ganhando espaço. 

Em outubro de 1990 saiu do Estadão, já que havia se licenciado por anos do jornal de São Paulo, algo que não acontecia, porém, Lima sempre teve enorme respeito, respaldo por parte dos donos do Estadão. 

Ao sair do Estadão, Manoel Lima foi convidado pelo brigadeiro Ottomar Pinto, que eleito primeiro governador de Roraima, sabedor da fama de Lima à frente do jornalismo de Mestrinho, o levou para Roraima para lhe ter como secretário de Comunicação. Ali neste estado permaneceu por 12 anos. Ainda por Boa Vista esteve à frente do jornal 'O Diário de RR', por 6 anos.

Por onde passou, Manoel Lima deixou um rastro de boas relações, de boas amizades, de pessoas que trabalharam com ele e mantém sempre uma palavra de carinho, de respeito e admiração pelo trabalho que pôde executar ao lado do jornalista Lima, do 'chefe' secretário de Estado, que não andava no carro preto do Governo do Amazonas na parte de trás, mas, sim, ao lado do motorista. Algo que não era muito comum de se ver. Isto porque Lima sempre foi jornalista raiz, homem simples, comedor de feijão com farinha, amante da boa pimenta, que veio lá do meio do povo, de uma família humilde, que morou, ali, na rua  Valério Magalhães, esquina com a Recife, quando o mato era que mais tinha, igarapés corriam pelas trilhas perto de sua casa. 

Em 2013, o homenageado e a família saíram de Roraima e foram para Brasília, onde exerceu a função de Assessor de Imprensa, com o senador Gilberto Mestrinho- AM.

Atualmente, vive em Brasília-DF, convivendo com sua esposa, Maria de Fátima Mendes Lima, tendo 57 anos de casados, três filhos - dois jornalistas, donos de sites de notícias; um formado em Relações Internacionais; e convive com os cinco netos.

DE PAI PARA FILHO

Para a família Lima esta é uma honraria mais que merecida pelo trabalho que Lima se dedicou a fazer, sempre comprometido com a real informação, com opinião factual, fortemente crítica, jamais ardilosa, mas, sempre contundente e de enorme ressonância junto aos leitores, e assim, este jornalista que escreve, sou um filho que se sente orgulhoso de ter o velho pai, e o velho jornalista que foi este ser tão acarinhado, respeitado por amigos, colegas. 

Parabéns, pai!

Sempre fostes orgulho de atuação profissional, pai zeloso, e firme criou os seus...Sou grato pelo o que tive, e o que vivi por seu direto intermédio, e muito do que hoje sou está em que você nos ensinou! Obrigado! 

E obrigado deputados!