b pf 19

8 m ag

GERANDO RENDA E ABASTECENDO MERENDA

Por Emanuele Pasqualotto

Os investimentos feitos pela Prefeitura de Boa Vista no agronegócio estão rendendo bons frutos, principalmente para as comunidades indígenas. Ganham os agricultores e as crianças, que estão recebendo reforços na merenda escolar com o que é produzido com o auxílio da Secretaria Municipal de Agricultura e Assuntos Indígenas (Smaai).

Prova disso é o projeto HF (Hortifruti), desenvolvido em oito comunidades indígenas, localizadas na área rural de Boa Vista. Uma delas é a Vista Alegre. O projeto consiste em transmitir as técnicas de condução das culturas de melancia, melão, abóbora, feijão, macaxeira, dentre outras, e proporcionar o aumento da produtividade.

O Hortifruti é o primeiro projeto a ofertar a tecnologia da fertirrigação para lavouras em comunidades indígenas no Estado de Roraima. E os resultados positivos já começam a aparecer. A lavoura de melão da comunidade já está sendo produzida.

Só nesta safra, já foram seis toneladas da fruta, na qual uma parte foi destinada para a comunidade e o excedente está reforçando a merenda das crianças de quatro escolas municipais das Comunidades Vista Alegre, Darôra, Ilha e Campo Alegre por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). 

 

De acordo com o agricultor indígena Dinarte Pereira da Silva, responsável pelo projeto na Comunidade Vista Alegre, os resultados melhoraram muito a renda da comunidade e a alimentação tendo em vista a qualidade da fruta colhida.

“A prefeitura entrou com a parceria com a comunidade trazendo o projeto HF para cá. Eu me prontifiquei a trabalhar nessa lavoura e estamos colhendo seis toneladas de melão, é um produto que produz bem aqui na comunidade e eu estou muito satisfeito com o apoio da Prefeitura, só tenho a agradecer, pois se não fossem eles não estaríamos produzindo”, disse.

 

O técnico Agrícola da Secretaria de Agricultura, Ariosto Brito, acompanha o projeto desde o começo e enfatizou que a meta é no futuro fazer com que os agricultores indígenas possam melhorar ainda mais as lavouras e a renda da comunidade de forma independente.

“O objetivo é despertar nos produtores das áreas indígenas e ensinar que fazendo direitinho, irrigado e com a tecnologia, é possível alcançar bons resultados como aqui na comunidade Vista Alegre com o plantio do melão. Além disso, uma parte da produção é destinada para a comunidade e o excedente é entregue para as escolas municipais através do PAA. Está todo mundo contente e vem dando certo”, destacou.

 

ban zona 

ban gov am

prente

 

agnorte logo02

© 2015 Agência Norte Online. All Rights Reserved. Designed By HM