Segunda, 27 Junho 2022 09:53

PIRATARIA TRAVANDO O TRANSPORTE FLUVIAL

Avalie este item
(0 votos)

20 MILHÕES DE PREJUÍZOS...Transporte fluvial de cargas no AM pode parar por conta da pirataria

Após mais um assalto milionário cometido por ‘piratas do rio’ no Rio Madeira, esta semana, as empresas transportadoras de navegação do Amazonas avaliam parar suas atividades por tempo indeterminado até que tenham condições de segurança, e suporte das distribuidoras de combustível quanto aos prejuízos, que atualmente ficam totalmente a cargo das empresas.

Em reunião na tarde de ontem (23) no Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial do Amazonas (Sindarma), os empresários decidiram convocar uma Assembleia Geral na próxima quinta-feira (29), para votar a paralisação diante dos mais de R$ 20 milhões de perdas com ataques piratas, somente em roubos de combustíveis, nos seis primeiros meses de 2022.

De acordo com o presidente do Sindarma, Galdino Alencar Júnior, neste valor não estão contabilizadas as perdas com equipamentos das embarcações levadas e destruídas pelos piratas e, principalmente, com a saúde e a segurança dos tripulantes, que em muitos destes ataques são agredidos, torturados e até mutilados pelos criminosos.

“Não queremos chegar a este ponto de parar, mas estamos no limite humano e econômico para manter a atividade. Atualmente não conseguimos sequer formar uma tripulação para certas rotas porque ninguém vai arriscar a vida sabendo que pode morrer ou levar um tiro. As transportadoras ficam com todo o ônus pelas cargas roubadas, porque as seguradoras se recusam a fazer e renovar os contratos, e as distribuidoras, que são as donas do produto (combustível), não querem arcar ou ajudar com as perdas”, afirmou Galdino.

 

MEIO AMBIENTE

O presidente do Sindarma também acrescenta que além dos roubos efetivados, muitos outros foram evitados pela ação das escoltas armadas contratadas pelas próprias empresas que acompanham as embarcações e que representam um custo adicional que duplica os gastos com a tripulação.

“A situação nos rios é muito grave. Toda semana temos trocas de tiros com as quadrilhas resultando em embarcações perfuradas e marinheiros abalados. Além da questão humana e econômica, a qualquer momento poderá acontecer uma tragédia ambiental sem precedentes caso uma balsa com milhões de litros de combustível exploda ou sofra um vazamento em um destes ataques”, alertou Galdino.

PIM e DESABASTECIMENTO

Para o vice-presidente do Sindarma, Madson Nóbrega, apesar das constantes reuniões da entidade com a Secretaria Estadual de Segurança, Marinha do Brasil e demais órgãos públicos que atuam no setor, os ataques piratas não cessaram.

Nóbrega também acrescenta que uma possível paralisação das transportadoras poderá ter reflexos no abastecimento de produtos de primeira necessidade, como alimentos e combustível, nos municípios do interior do Amazonas e também no escoamento via balsas, de parte da produção do Polo Industrial de Manaus, que segue via fluvial até Porto Velho (RO).

“Estamos fazendo tudo que está ao nosso alcance para manter o abastecimento nos municípios, mas precisamos resolver esta situação ou o transporte fluvial no Amazonas, uma das atividades mais importantes e tradicionais do estado, vai quebrar e afetar a economia e principalmente a vida de milhões de pessoas”, destacou Nóbrega

Transportadores vão a Brasília pedir ajuda contra ataques de piratas nos  rios do Amazonas, diz Sindarma | Amazonas | 18 Horas

QUATRO DIAS

O proprietário da embarcação atacada por piratas nesta semana (que pediu para não ter o nome revelado por questões de segurança) relatou durante a reunião no Sindarma, que os piratas abordaram e renderam o comboio de combustíveis no Rio Madeira, no trecho entre Borba e Humaitá.

Na ação, renderam os tripulantes com fuzis e escopetas, e por quatro dias, navegaram com tranquilidade vendendo o produto para atravessadores, garimpeiros ilegais e comunidades na região.

“Durante todo esse tempo, eles desligaram o rastreador via satélite e os seis marinheiros ficaram trancados em um quarto minúsculo, sobrevivendo com pão e água, enquanto vendiam o combustível. No total, foram mais de 1 milhão de litros de gasolina que agora terei que arcar sozinho. Não sei se ainda vale continuar neste ramo, porque amanhã poderá acontecer outro assalto e não há como manter a empresa funcionando desse jeito”, acrescentou.

 

...

POR PRESS COMUNICAÇÃO